search clock-o download play play-circle-o volume-up image map-marker plus twitter facebook rss envelope linkedin close exclamation-triangle home bars angle-left angle-right share-alt clock-o arrow-up arrow-down2 folder folder-folder-plus folder-open calendar-o angle-down eye refresh

PÁGINA OFICIAL

Santuário de Fátima

Transmissão Online

“A Missa não é um concerto”, afirmou D. José Manuel Cordeiro

17 de junho, 2017

3J3A3463.JPG

“A Missa não é um concerto”, afirmou D. José Manuel Cordeiro

O presidente da Comissão Episcopal de Liturgia presidiu à Peregrinação Jubilar de Coros Litúrgicos ao Santuário de Fátima
 

O Santuário de Fátima acolheu este sábado a Peregrinação Jubilar de Coros Litúrgicos no âmbito da celebração do centenário das Aparições de Nossa Senhora.

A peregrinação começou na Capelinha das Aparições, onde cerca de 3000 coralistas rezaram o terço, presidido por D. José Manuel Cordeiro, presidente da Comissão Episcopal de Liturgia, seguindo-se depois a Eucaristia na Basílica da Santíssima Trindade

Na homilia, D. José Cordeiro falou sobre a função do coro na liturgia que não é a de “dar espetáculo”.

“Um coro litúrgico tem como função não fazer tudo nem dar qualquer tipo de espetáculo, mas fazer com que a assembleia cante e reze”, sublinhou.

A Peregrinação na qual participaram coros de todas as dioceses, convidados pelo Santuário de Fátima, prosseguiu da parte da tarde com a estreia do Magnificat ,composto por Fernando Lapa, especificamente para esta ocasião.

O Magnificat é composto por 8 estrofes. A primeira foi cantada por todos os coros, reunidos em assembleia e utilizada como Refrão. Está escrita para quatro vozes. No entanto, pode ser cantada apenas a uma voz, privilegiando, neste caso, a voz de soprano. 

A obra foi interpretada com o acompanhamento musical de órgão, flauta, trombone e glockenspiel. A adaptação do texto foi realizada por Manuel Neto da Silva.

Após a estreia do Magnificat D. José Manuel Cordeiro proferiu uma conferência sobre o tema O louvor do canto e da música na Liturgia.

Na sua conferência, D. José Cordeiro, salientou o facto de a missa não ser um concerto.

“A Missa não é um concerto. O coro litúrgico ou o grupo de cantores faz parte da Assembleia litúrgica que celebra o Mistério da celebração. Nunca pode ser entendido como paralelo à celebração”, referiu.

“O canto da assembleia e do coro tem de acontecer em harmoniosa concórdia na celebração litúrgica”, frisou.

O prelado, bispo da diocese de Bragança-Miranda, referiu-se ainda à necessidade de ter atenção aos critérios na escolha dos cânticos litúrgicos.

“Há que ter em conta alguns critérios litúrgico-pastorais, nomeadamente: o conteúdo do texto e o valor musical”, disse.

D. José Cordeiro terminou a sua conferência afirmando: “O canto e a música, que são arte sacra e ação litúrgica, consistem na expressão da maior glória de Deus e da santificação dos fiéis no Mistério da Liturgia.”

Depois da conferência foi cantado o hino do Centenário Mestra do Anúncio, Profecia do Amor.

A Peregrinação Jubilar de Coros Litúrgicos terminou com a oração de vésperas pelas 16h00 na Basílica da Santíssima Trindade.


CATEGORIAS DE NOTÍCIAS


HORÁRIOS

Terço

Terço, na Capelinha das Aparições

21h30

PAPA FRANCISCO EM FÁTIMA


LOJA ONLINE


Loja Santuário de Fátima