search clock-o download play play-circle-o volume-up image map-marker plus twitter facebook rss envelope linkedin close exclamation-triangle home bars angle-left angle-right share-alt clock-o arrow-up arrow-down2 folder folder-folder-plus folder-open calendar-o angle-down eye refresh

PÁGINA OFICIAL

Santuário de Fátima

Transmissão Online

D. António Marto recordou palavras do Papa Francisco em Fátima

13 de maio, 2018

32375898_1913247275361517_3695389002484940800_n.jpg

 

D. António Marto recordou palavras do Papa Francisco em Fátima

Bispo de Leiria-Fátima considera que a presença de Francisco “está ainda viva”

 

O bispo da Diocese de Leiria-Fátima,D. António Marto, recordou hoje palavras do Papa Francisco, que em maio de 2017 esteve presente no Santuário de Fátima, no âmbito do Centenário das Aparições de Fátima, e para canonizar Francisco e Jacinta Marto.

“Todos nós recordamos que há um ano, precisamente neste dia 13 de maio, estava aqui connosco o papa Francisco a celebrar o Centenário das Aparições e a canonização dos santos pastorinhos Francisco e Jacinta Marto”, disse D. António Marto, no final da missa desta manhã aos 300 mil peregrinos presentes no Recinto de Oração.

O prelado considera que a presença de Francisco “está ainda viva”.

“As suas palavras, aqui, ecoam nos nossos corações e ressoam neste santuário tão grande quanto o mundo, aquelas palavras que ficaram gravadas na memória e no coração de cada um de nós”, afirmou ainda.

"O Papa Francisco hoje não se esqueceu de Fátima”, destacou D. António Marto que, após ler a mensagem do chefe de Estado do Vaticano na rede social Twitter: “Santíssima Virgem de Fátima, dirige o teu olhar sobre nós, sobre nossas famílias, sobre o nosso país, sobre o mundo”.

António Marto agradeceu, depois, a presença dos peregrinos pelo “testemunho da fé”, assim como ao presidente da peregrinação, o cardeal John Tong, bispo emérito de Hong Kong.

“Esta nossa peregrinação tem uma característica especial, vivemo-la hoje de um modo particular unidos na fé aos nossos irmãos e irmãs chineses, a todos os católicos chineses, de Hong Kong, da China continental, de Macau, de Taiwan e outros dispersos pelo mundo”, assinalou o prelado, dizendo ainda que “todos esses irmãos católicos chineses estão hoje aqui representados” no cardeal.

O bispo agradeceu ainda ao bispo emérito de Hong Kong ter trazido “o testemunho da firmeza da fé dos católicos chineses” e a mensagem de esperança, “hoje tão necessária” quando o modo de comunicar as notícias parece querer “convencer que o mundo é todo sombrio e que já não há esperança”.