13 de janeiro, 2020

154A8994.jpg

 

Fátima “é um grito contra a apatia” porque nos torna sensíveis ao amor de Deus que liberta a “humanidade das suas maldades”, afirma vice-reitor do Santuário

Padre Vítor Coutinho presidiu à missa votiva de Nossa Senhora, que faz memória das Aparições na Cova da Iria a cada dia 13, entre maio e outubro de 1917

 

O vice-reitor do Santuário, padre Vítor Coutinho, afirmou esta manhã que Fátima “é uma reafirmação da ternura de Deus” da qual resulta uma vontade renovada para que os cristãos se comprometam a ser agentes de mudança de um mundo marcado pela maldade e pelo conflito.

“As multidões de crentes com velas acesas que formam uma imensa chama, símbolo da fé que ilumina; as multidões que rezam, cantam e fortalecem a fé e renovam a esperança revelam que Fátima é uma reafirmação da ternura de Deus e daqui resulta uma vontade renovada de dar expressão concreta àquilo que nos anima”, afirmou o sacerdote na homilia que proferiu esta manhã na Basílica da Santíssima Trindade na missa votiva de Nossa Senhora, na qual o Santuário faz especial memória daqueles dias 13 em que a Virgem visitou a Cova da Iria e envolveu no amor de Deus três crianças, os santos Francisco e Jacinta Marto e a serva de Deus Lúcia de Jesus.

“Quem se sente tocado é levado a comprometer-se e quem está atento aos sinais da presença de Deus não perde a esperança e não desiste de fazer a sua parte para que este mundo seja um pouco mais como Deus quer” afirmou o padre Vítor Coutinho ao sublinhar que hoje “o comodismo, o egoísmo natural, a complexidade do mundo em que vivemos, o medo do desconhecido, a falta de fé, a desilusão com os responsáveis políticos e religiosos” podem resultar numa “apatia” que por vezes “nos impede de darmos o melhor de nós”.

“Não é apenas a fé em Deus que é difícil viver; também é difícil darmos voz aos nossos ideais, dizermos aquilo em que acreditamos. Não temos facilidade em manifestar confiança nem gratidão. É também difícil para crentes e não crentes aderir a grandes causas; comprometer-se com grandes projetos ou estar sensível às misérias humanas que não sejam mediáticas, interessar-se pelos problemas de homens e mulheres que não nos dizem respeito” lembrou ainda o sacerdote desafiando os peregrinos a olharem para o exemplo dos Pastorinhos, que na “fé aceitaram comprometer-se sem condições e sem saberem todas as exigências que decorriam desse compromisso”.

“Mesmo com o limite das idades, estas crianças mostraram que é possível abraçar grandes causas e viver totalmente para elas” sublinhou destacando, por isso, que Fátima é uma “denúncia da banalidade” e da “apatia” com que tantas vezes vivemos.

“Fátima é uma denúncia da superficialidade das nossas escolhas quando vemos crianças a optarem pelo que é decisivo e profundo. Com o exemplo dos Pastorinhos aprendemos que é preciso gastar a vida por aquilo que vale mesmo a pena. Aperceberam-se do mal da Humanidade, sabiam que eram pequenos mas isso não foi motivo para deixarem de se comprometer porque eles estavam seguros de algo mais importante que era o amor de Deus”, disse.

Por isso, “Fátima é um convite a vivermos de coração cheio porque temos a certeza de ter um lugar no coração de Deus. Fátima é um grito contra a apatia porque nos torna sensíveis ao que Deus faz por nós, interessado na nossa salvação”.

“A mensagem de Fátima é iluminadora porque na sua essência é uma mensagem de esperança ao garantir que é possível superar os conflitos e alcançar a paz, mostrando que com a graça de Deus, a humanidade tem capacidade para evitar as guerras, afirmando que Deus nunca nos abandona”.

“ Pela voz de Nossa Senhora ouvimos dizer `Eu nunca te deixarei´, por isso, Fátima é mensagem de esperança que nos diz que a humanidade pode salvar-se das suas maldades e dos seus conflitos. Em Fátima aprendemos que Deus não desiste da humanidade e que os infernos podem ser superados”, concluiu.

Na missa votiva de Nossa Senhora estiveram presentes vários grupos de oração, entre eles os Amigos de Maria, da diocese de Coimbra.

PDF

HORÁRIOS

20 jan 2020

Missa, na Capela da Morte de Jesus

  • 09h00
Missa

Rosário, na Capelinha das Aparições

  • 12h00
Terço
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. O seu navegador de Internet está desatualizado. Para otimizar a sua experiência, por favor, atualize o navegador.