search clock-o download play play-circle-o volume-up image map-marker plus twitter facebook rss envelope linkedin close exclamation-triangle home bars angle-left angle-right share-alt clock-o arrow-up arrow-down2 folder folder-folder-plus folder-open calendar-o angle-down eye refresh

PÁGINA OFICIAL

Santuário de Fátima

Transmissão Online

Memória e gratidão são duas atitudes “fundamentais” do ser cristão, refere conferencista convidado pelo Santuário

14 de janeiro, 2018

3J3A8951.jpg

 

Memória e gratidão são duas atitudes “fundamentais” do ser cristão, refere conferencista convidado pelo Santuário

Pe. Joaquim Ganhão, liturgista, inaugurou os Encontros na Basílica para este ano pastoral

 

A Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima acolheu hoje a primeira conferência dos 'Encontros na Basílica', proferida pelo Pe. Joaquim Ganhão, intitulada “Memória e Gratidão: atitudes crentes”.

O sacerdote, natural de Pedrógão, concelho de Torres Novas, afirmou que memória e gratidão são duas atitudes fundamentais do ADN do cristão.

“Memória e gratidão são duas atitudes que constituem o modo de ser mais profundo e sincero do cristão identificado com o dom que o tocou e com a graça que o envolveu” disse lembrando que “não é possível ser cristão sem cultivar estas duas atitudes, sem entrar nelas e sem assumir na vida as devidas consequências”.

“Fomos chamados a participar do Mistério de Cristo e, no caminhar da história de cada um e da comunidade, celebramos e vivemos esse mesmo Mistério que se atualiza, para nós, na Eucaristia. Na memória do Senhor e de tudo o que ele fez por nós, damos graças ao Pai, por Cristo no Espírito Santo”, disse.

O tema proposto pelo Santuário de Fátima para este ano pastoral- Dar graças pelo dom de Fátima- “coloca-nos no coração do acontecimento e na história que dele brotou como um grande rio de graça, de vida e de misericórdia que atualiza, naqueles que o acolhem e celebram, o Mistério de Deus que visita o seu povo e a ele se revela como luz e salvação que desperta gratidão, alegria e louvor”, afirmou o sacerdote.

O conferencista recordou a experiência dos pastorinhos, primeiro com o Anjo e depois com Nossa Senhora, para sublinhar que foi da experiência do encontro com Deus que resultou a transfiguração da sua vida, sem, contudo,  “nunca perderem a candura das suas idades e a delicadeza espontânea e autêntica da sua educação serrana”.

“Na luz intensa da Senhora da Azinheira viram-se em Deus, tornaram-se guardadores de segredos e de mensagens que prenunciam novas manhãs pascais, para a Igreja e para o mundo. Sem perceberem tudo à primeira, deixaram-se conduzir. Com dificuldade guardaram aquelas palavras que não conseguiam conter dentro de si”, disse destacando que  “o dom de graça e misericórdia tantas vezes se esconde aos sábios e inteligentes e se revela aos pequeninos”.

Hoje, Fátima continua a “acolher e a atualizar este dom guardado e transmitido aos pequeninos. O Santuário guarda esta memória. Milhões de peregrinos guardam esta memória, aquela mesma memória viva de que falava há dias o Papa Francisco no discurso ao Corpo diplomático: uma memória que brota da fé, cheia de entusiasmo e alegria que Maria aqui suscita na multidão dos peregrinos”, precisou.

Para o Pe. Joaquim Ganhão fazer memória é participar e não apenas lembrar.

“Para vivermos a profundidade desta memória, há um caminho a percorrer: o caminho do encontro vivo com o Senhor na oração; o caminho da penitência que renova a vida; o caminho da conversão que nos leva à festa do encontro e à felicidade da comunhão”, disse ainda.

“Trata-se sempre de um caminho feliz e belo, onde a candura da veste branca e a beleza da luz pascal nos indicam que, para vivermos esta memória, para entrarmos nela, precisamos do dom daquela prudente vigilância que nos permitirá entrar na alegria do banquete e nele nos saciarmos”, disse  reforçando a centralidade eucarística na Mensagem de Fátima.

“Memória, enquanto atitude crente, conduz-nos sempre ao coração da fé, a uma vida profundamente eucarística” afirmou.

Por outro lado lembrou que `dar graças´ “constitui a atitude cristã fundamental”, e dar graças pelo dom de Fátima “é também reconhecermos como esta memória e esta gratidão aqui se experimentaram desde a primeira hora até ao dia de hoje. Sempre a Eucaristia foi o centro e o cume da vida deste Santuário. Para aí nos conduz a Senhora mais brilhante que o sol”.

O sacerdote, que integrou o grupo coordenador que preparou a visita do Papa,  recordou as palavras de Francisco na Missa do dia 13 de maio de 2017,  sobre o sentido da peregrinação a Fátima, onde Nossa Senhora “estende o seu manto de luz”  para concluir que  “Memória e gratidão conduzem-nos por esta estrada, e tal como Maria aqui fez com os pastorinhos, também hoje nos continua a introduzir no conhecimento íntimo do Amor Trinitário e nos leva a saborear o próprio Deus como o mais belo da existência humana”.

Este foi o primeiro de cinco `Encontros na Basílica´, que o santuário de Fátima oferecerá durante este ano pastoral que está  integrado num triénio genericamente designado de “Tempo de Graça e Misericórdia”.

O II Encontro na Basílica, realiza-se a 11 de março com a palestra "O reconhecimento eclesial das aparições de Fátima", pelo Pe. João Paulo Quelhas, capelão do santuário de Fátima.

A seguir a este momento de palavra os peregrinos de Fátima puderam assistir a um recital pelo grupo Cantus Novus Ensemble, sob direção de António Lourenço Menezes.

O grupo interpretou seis temas: Ave Maria, de António L. Menezes; Psalmus 126, de Gyorgy Orbán; Magnificat, de Arvo Part; Kyrie-II de Rui Paulo Teixeira; Drei Hirtenkinder aus Fatima, de Arvo Part e Díptico, de Alfredo Teixeira.


CATEGORIAS DE NOTÍCIAS


HORÁRIOS

Missa

Missa, na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima

07h30
Terço

Rosário, na Capelinha das Aparições

12h00

LOJA ONLINE


Loja Santuário de Fátima