21 de maio, 2021

3J3A0868.JPG

O apelo da vida dos Pastorinhos é sermos fiéis ao Evangelho, afirma José Rui Teixeira

O diretor da Cátedra Poesia e Transcendência Sophia de Mello Breyner, na Universidade Católica do Porto, aceitou o desafio da Voz da Fátima para perspetivar a perceção que os jovens, hoje, podem ter do modelo de santidade dos pastorinhos.

 

De que forma a espiritualidade dos dois santos Francisco e Jacinta Marto pode ajudar os jovens de hoje a perceberem o significado e o valor da santidade?

É uma questão complexa, na medida em que pressupõe um stricto sensu e um lato sensu. O modo como vivemos nas nossas vidas as diferentes experiências de santidade denuncia, habitualmente, uma acomodação à mimética circunstancial, ou seja: agarramo-nos ao acessório e não chegamos a integrar nas nossas vidas o sentido dessa narrativa paradigmática que é o âmago de qualquer experiência de santidade e, desse modo, uma caixa de ressonância para a resposta afirmativa a essa vocação universal. O contexto, a idiossincrasia e o imaginário de Francisco e Jacinta – assim como de Lúcia – são irrepetíveis em stricto sensu, mas as suas vidas – intensíssimas narrativas paradigmáticas – não ajudam apenas os jovens a perceberem o significado e o valor da santidade, ajudam-nos a todos. Confesso que as minhas dúvidas têm a ver com o modo como nos situamos diante do contexto, da idiossincrasia e do imaginário, ou seja, como presentificamos estas experiências de santidade e como as resgatamos para as nossas vidas.

 

Uma das marcas da juventude, hoje e ontem, é a irreverência. Vemos os jovens com disponibilidade para o imediato, mas com resistência a compromissos mais duradoiros. Uma vida de santidade pressupõe um compromisso mais duradoiro. Estarão os jovens de hoje menos disponíveis para oferecerem a sua vida a Deus, como fizeram os Pastorinhos, sacrificando-se e cuidando dos outros?

Sinceramente, não sei se o nosso compromisso com aquilo que eclesialmente concebemos como “vocação universal à santidade” é uma questão etária ou idiossincrática. Na minha condição de professor, trabalhei e convivi com centenas de jovens nos últimos vinte anos e essa experiência diz-me que – quando se identificam com uma mensagem, com um projeto – são generosos, disponíveis, capazes de envolvimento e compromisso; e quanto mais reconhecem num adulto a autenticidade de uma atitude comprometida, mais são capazes – eles próprios – de se comprometerem intensamente. Ou seja, creio que o apelo ao imediato e a resistência a compromissos mais duradouros resultam menos de se tratar de jovens e mais de existirem neste contexto social que todos partilhamos, com tudo o que isso implica. Os nossos jovens são herdeiros deste contexto e – infelizmente, mais do que nunca – parecem-me em condições não de lhe resistir, mas de o acelerar nas suas causas e nos seus efeitos. Acredito que se a Igreja for fiel ao Evangelho e estiver comprometida com a sua condição de crisálida do Reino de Deus, os jovens estarão na linha da frente desse modo de ser e de existir em configuração com Cristo. É esse – creio – o grande apelo que a vida dos Pastorinhos testemunha. E isso inspirará e implicará necessariamente e de muitos modos, não apenas nos jovens, o espírito de sacrifício e o exercício do cuidado.

 

Miguel Torga dizia que, sem amor, nenhuns olhos são videntes. Estes pequenos e humildes pastores entregaram a vida a Deus, foram exaltados por Ele e hoje são santos, mas foram rebaixados pelos poderosos. Como no Evangelho de Lucas... A força do amor acaba sempre por vencer, quer do que se dá quer daquele que dá?

Parece-me tão verdadeira essa intuição de Miguel Torga. Sim, acredito que a força do amor terá a última palavra, mesmo quando o exercício de olhar o mundo só nos restitui desolação e semeia desesperança. Francisco e Jacinta – e Lúcia naturalmente – testemunham e desdobram poeticamente essa porção do Evangelho. A consciência e a esperança de que a força do amor acaba sempre por vencer é uma ressonância dessa voz que nos lembrou – há cem anos – que há um Coração Imaculado que triunfará.

 

 (In Voz da Fátima, Ano 098, N.º 1169, 13 de fevereiro 2020) 

PDF

HORÁRIOS

29 jun 2022

Missa, na Capela da Morte de Jesus

  • 09h00
Missa

Rosário, na Capelinha das Aparições

  • 12h00
Terço
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. O seu navegador de Internet está desatualizado. Para otimizar a sua experiência, por favor, atualize o navegador.