23 de março, 2021

D0253313.jpg

Virgem Peregrina de Fátima, embaixadora da Paz no Cáucaso no último trimestre deste ano

A Imagem nº 2 visitará as paróquias da Arménia, Azerbaijão e Geórgia

 

A Imagem nº 2 da Virgem Peregrina de Fátima vai deslocar-se ao Cáucaso em setembro e outubro a pedido do núncio apostólico na Arménia e na Geórgia, D. José Bettencourt, que já manifestou “a sua alegria” por esta viagem inédita.

Segundo o representante diplomático do Papa, esta será a primeira vez que a imagem visita estes territórios da ex-União Soviética, passando ainda pelo Azerbaijão.

“Os católicos do Cáucaso alegram-se pela notícia da visita da Imagem de Nossa Senhora de Fátima à região”, refere o arcebispo, nascido nos Açores, em depoimento enviado à Voz da Fátima.

A imagem, que vai passar pelas paróquias e comunidades católicas dos três países, tem uma intenção especifica “de reconciliação e de paz”, numa zona onde permanecem congelados vários conflitos, alguns reacesos no decurso do ano passado, que ameaçam a estabilidade e a segurança de toda a região.

“Rezemos pela paz de mente e de espírito com Deus e com o próximo durante este tempo de bênção” referiu ainda D. José Bettencourt.

Para José Milhazes, jornalista e autor do livro “A mensagem de Fátima na União Soviética-Rússia”, a presença de Fátima no Cáucaso “é particularmente importante numa região do Continente Europeu fustigada, há muitos anos, por guerras e graves crises políticas, pois a mensagem emanada da Cova da Iria é de paz entre os homens”.

“Certamente que a imagem da Virgem Maria será recebida por corações e braços abertos na Arménia, primeiro país a proclamar o Cristianismo como sua religião no longínquo ano de 301. A Arménia está envolvida numa guerra com o vizinho Azerbaijão desde 1989 e estes dois países precisam de paz, de uma reconciliação que tarda em chegar” destaca o jornalista que foi correspondente da SIC na Rússia.

A residir em Portugal, o jornalista salienta, por outro lado, “a longa e profunda crise interna” que assola a Geórgia.

“ A presença de Fátima na Geórgia contribuirá para tornar os corações mais pacíficos, mais abertos ao diálogo. Irá certamente recordar-lhes o contributo dos missionários portugueses para o resgaste dos restos mortais da mártir georgiana  Santa Ketevan, cujo suplício está representado em azulejos nas paredes do Convento da Graça, em Lisboa”.  

E, conclui: “Em boa hora a imagem de Fátima passará pelo Cáucaso, reforçando a sua mensagem de paz e amor” refere.

Também a jornalista Aura Miguel, uma das vencedoras do Prémio de Jornalismo instituído no Centenário das Aparições, com uma reportagem multimédia intitulada “Fátima na Bielorussia, uma chama que a URSS não apagou”, desenvolvido em parceria com Joana Bourgard, lembra que a presença da Imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima na região do Cáucaso pode ajudar a “consolidar a paz e unidade” entre os cristãos e a “reforçar o diálogo com o Islão”, nesta zona estratégica entre a Europa e a Ásia.

“Os apelos à paz e conversão que brotam de Fátima, assumem especial atualidade nesta região, ainda instável, e com feridas abertas causadas pelo mais recente conflito fronteiriço sobre Nagorno-Karabakh, que opõe a Arménia cristã ao Azerbaijão muçulmano. E o mesmo se diga da Geórgia, maioritariamente ortodoxa, a braços com revoltas independentistas nas regiões de Ossétia do Sul e Abkhazia”, refere a jornalista vaticanista da Rádio Renascença.

“Quando a 13 de julho de 1917, a Virgem revela o segredo às três crianças e profetiza os horrores da guerra, do pecado e tantos sofrimentos da humanidade, Ela também aponta uma saída de esperança para salvar o mundo”, destaca ao lembrar que há um caminho de paz que pode ser percorrido.

“Trata-se de um caminho de conversão e de paz, que se consolida na livre adesão aos pedidos da Senhora de Fátima. A começar no coração de cada um, mas com potencial para mudar o rumo da história, incluindo a destas três repúblicas da ex-URSS”, afirma.

“De Fátima, nasce continuamente um convite a construir a paz, no coração de cada um e à nossa volta. Por isso, esta Mensagem é mais um incentivo aos que vivem sinceramente este desejo de paz e de verdade, independentemente do seu contexto, cultura e religião”, diz. 

O próprio Papa, nas diversas viagens que realiza pelo mundo, não escolhe só países cristãos. 

“Eu própria o testemunhei, ao acompanhar São João Paulo II, e mais recentemente Francisco, a estes três países do Cáucaso” refere para concluir que “não duvido que a presença da Imagem peregrina de Fátima será uma ocasião privilegiada para reforçar este anseio de paz e de diálogo, e “sem qualquer distinção de carácter étnico, linguístico, político ou religioso”, como diz o Papa Francisco”, destacando que é também este o espírito da Fratelli Tutti.

Este ano, a agenda das viagens da imagem da Virgem Peregrina de Fátima tocará novamente uma série de países.

PDF

DESTAQUES

CATEGORIAS

Geral Entrevista

HORÁRIOS

19 abr 2021

Missa, na Basílica da Santíssima Trindade

  • 07h30
Missa

Rosário, na Capelinha das Aparições

  • 12h00
Terço
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. O seu navegador de Internet está desatualizado. Para otimizar a sua experiência, por favor, atualize o navegador.