07 de outubro, 2021

154A2447.jpg

As celebrações e as assembleias orantes “são um dos rostos mais visíveis e icónicos” de Fátima, afirma padre Carlos Cabecinhas

Reitor do Santuário orientou a última visita temática à exposição temporária Rostos de Fátima, neste ano pastoral

 

A comunidade orante que se reúne em Fátima, para celebrar comunitariamente a fé, é um dos rostos mais “visível e icónico” de Fátima, afirmou esta noite o padre Carlos Cabecinhas que orientou a última visita temática do ano pastoral à exposição temporária “Rostos de Fátima- fisionomias de uma paisagem espiritual”, sobre o tema “As celebrações de Fátima: rosto visível da comunidade orante”.

“Ocupar-se das celebrações de Fátima é ocupar-se do rosto mais visível de Fátima. Depois da Imagem de Nossa Senhora, não há elemento mais icónico de Fátima do que as celebrações, sobretudo as das grandes peregrinações”, afirmou o reitor do Santuário.

O sacerdote, doutor em Liturgia, traçou um roteiro histórico das celebrações na Cova da Iria, desde as aparições até aos dias de hoje, sublinhando que a “paisagem celebrativa de Fátima foi sendo modelada progressivamente, quer pelos peregrinos, quer pelas decisões das autoridades eclesiásticas, quer pela própria evolução eclesial”.

A este propósito recordou que mesmo quando não havia um espaço próprio para acolher as celebrações já a multidão se reunia em Fátima, como que obrigando as autoridades a desenhar um esquema celebrativo que acabou por modelar o ritmo quotidiano da vida do Santuário. 

As “Peregrinações Internacionais Aniversárias continuam a ser os mais representativos momentos de celebração no Santuário de Fátima e aqueles que mais profundamente marcam a ritualidade do Santuário de Fátima e o imaginário dos peregrinos da Cova da Iria”, mas não esgotam os momentos da celebração comunitária da fé. E, deu como exemplo algumas das celebrações que marcam o ritmo da vida do Santuário, corporizando a essência e a espiritualidade do acontecimento de Fátima..

Em virtude da crescente presença de peregrinos, ao longo de todo o ano, a procissão das velas faz-se diariamente, da Páscoa ao início do Advento e, a partir daí, aos sábados. “Esta procissão remete os peregrinos para o tema da luz, elemento comum que une todas as aparições de Fátima, enquanto expressão da presença divina por excelência”, afirmou o sacerdote. A procissão do adeus, que se estendeu a todos os domingos, da Páscoa ao fim de outubro, sendo um  rito de despedida dos peregrinos a Nossa Senhora, caracterizado pela emotividade, é igualmente modelar. Além disso, há as missas (sete diariamente); 4 momentos diários de oração do terço, na Capelinha, número que aumenta aos Domingos e, ligada ao terço das 21:30, a procissão de velas com a imagem de Nossa Senhora; a celebração do sacramento da reconciliação durante todo o dia; a adoração permanente na Capela do Santíssimo Sacramento; a Via-sacra que o Santuário propõe na Quaresma, ou a Via Sacra durante todo o ano, por iniciativa dos grupos de peregrinos, sobretudo no chamado “caminho dos Pastorinhos”, em direção ao Calvário Húngaro; as procissões eucarísticas às quintas-feiras e aos domingos; a oração de Laudes ou Vésperas em alguns momentos específicos e a celebração da Unção dos Enfermos e de outros Sacramentos, que constiuem, também, marcas deste rosto celebrativo de Fátima.

“O elenco poderia continuar, mas o que é importante reter é que as celebrações do Santuário são muito mais do que as peregrinações internacionais e estão intimamente ligadas ao âmago da própria mensagem de Fátima”, disse ainda o padre Carlos Cabecinhas ao lembrar os apelos de Nossa Senhora e do Anjo a rezar, a oração do terço, como forma de conversão e, sobretudo, como o caminho de encontro com Deus.

Por outro lado, sublinhou a centralidade eucarística da mensagem de Fátima que se concretiza diariamente na celebração diária da Eucaristia, que se oferece em sete momentos diferentes no Santuário.

“O relevo e a importância que a celebração diária da Eucaristia tem no Santuário de Fátima liga-se à própria mensagem de Fátima, caracterizada por uma dimensão profundamente eucarística. Sendo esta dimensão eucarística constitutiva da mensagem de Fátima, não admira que a Eucaristia tenha ocupado sempre um lugar central na vida do Santuário”, afirmou. 

“O programa diário da Santuário é ritmado pela celebração da Eucaristia, em diversos horários, para permitir aos peregrinos abundantes possibilidades de participação”, esclareceu.

“Encontramos em Fátima algumas das mais típicas e universais manifestações da piedade popular: as procissões com a imagem de Nossa Senhora de Fátima, de velas, ou eucarísticas; o rosário; a Via Sacra; a oferta de velas; a veneração da imagem de Nossa Senhora de Fátima… Nestas diversas manifestações devocionais exprime-se quer a sensibilidade do povo cristão, na sua relação com Deus, quer algumas das dimensões da própria mensagem de Fátima”, afirmou por outro lado.

“Estas práticas têm um carácter universal, entre o povo cristão. Contudo, algumas delas tornaram-se características do Santuário de Fátima”, disse.

“Os santuários, de um modo geral, são lugares excecionais para a oração” lembrou e daqui emergem novos rostos orantes que se assumem como rostos visíveis de uma determinada paisagem.

“As assembleias de Fátima são o rosto visível da comunidade orante que é a Igreja”, destacou ao salientar que as assembleias de Fátima “revelam o rosto dessa comunidade orante caracterizado pela fé”.

“São assembleias crentes, que se reúnem para celebrar a fé e que, pela participação na celebração ou no momento de oração, querem também alimentar a sua fé e aumentá-la” disse o sacerdote enfatizando que mau grado alguma “ atitude crítica em relação à forma de vivência e expressão de fé de alguns peregrinos”, Fátima “proporciona-nos sobretudo o contacto com testemunhos incríveis de fé e confiança”.

“As assembleias de Fátima revelam uma profunda devoção mariana; manifestam o rosto mariano da Igreja. O Papa S. Paulo VI, em 24 de abril de 1970, numa alocução no Santuário de Nossa Senhora de Bonaria (Itália), afirmava: “Não se pode ser cristão se não se é mariano”. É isso que apreendemos nas assembleias de Fátima”, concluiu o reitor destacando alguns atributos destas assembleias.

“São assembleias participativas, que não assistem ao que se está a passar diante dos seus olhos, mas celebram ativamente a fé: rezam, cantam, fazem silêncio, aclamam, aplaudem... e fazem-no frequentemente com uma persistência comovente: sem comodidades e, por vezes, enfrentando corajosamente condições meteorológicas adversas”, afirmou.

“As assembleias de Fátima revelam um rosto universal da Igreja, mostram-na verdadeiramente “católica”. São assembleias abertas a todos, marcadas pela diversidade de idades, sensibilidades, caminhadas de fé... e proveniências” enfatizou.

O sacerdote, que é reitor desde 2011, concluiu que “as celebrações de Fátima são o rosto de uma comunidade de filhos da luz, iluminados pela luz de Cristo e guiados por Ele, através da luz que a Sua Mãe veio revelar neste lugar”.

A exposição que já registou mais de 58 mil visitas prossegue aberta até 15 de outubro de 2022. As visitas temáticas regressam a 4 de maio de 2022 e prolongam-se até outubro.Para já estão a ser gradualmente retomadas as visitas guiadas diariamente de manhã e de tarde. A exposição "Rostos de Fátima- fisionomias de uma paisagem espiritual" está patente ao público no Convivio de Santo Agostinho, no piso inferior da Basílica da Santíssima Trindade.

PDF

HORÁRIOS

23 out 2021

Rosário, na Capelinha das Aparições, e procissão das velas, no Recinto de Oração

  • 21h30
Terço
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. O seu navegador de Internet está desatualizado. Para otimizar a sua experiência, por favor, atualize o navegador.