02 de junho, 2024

3J3A8125.JPG

Padre Carlos Cabecinhas considera que as palavras de Jesus no Evangelho “vêm questionar o modo como nos relacionamos com Deus e com os outros”

Reitor do Santuário de Fátima presidiu à missa dominical no Recinto de Oração com a presença de vários grupos portugueses e estrangeiros

 

O Padre Carlos Cabecinhas, Reitor do Santuário de Fátima presidiu à missa dominical no Recinto de Oração com a presença de vários grupos portugueses e estrangeiros. Nesta celebração, e com base na liturgia deste dia, o sacerdote falou aos peregrinos do amor infinito de Deus por nós, um amor levado ao extremo”.

“Quando imaginamos Deus demasiado semelhante a nós, criaturas humanas, traímos Deus e criamos ídolos”, alertou, falando ainda das palavras presentes no Evangelho deste domingo que “vêm questionar o modo como nos relacionamos com Deus e, consequentemente, com os outros”.

“Vêm alertar-nos para o perigo de reduzirmos a relação com Deus ao mero cumprimento de umas tantas normas, e olhemos para o exemplo dos santos Pastorinhos de Fátima, uma vez que a sua relação com Deus era genuína, havia uma imensa preocupação por consolar, por fazer companhia a Jesus, por dar alegria”, explicou o padre Carlos Cabecinhas.

Mas as palavras de Jesus no Evangelho, “levam-nos inevitavelmente a pensarmos no modo como nós, cristãos, encaramos e vivemos o domingo”.

O domingo “é um dos valores fundamentais da comunidade cristã, pois nele se concentram, como num sacramento semanal, a centralidade de Cristo e da sua Páscoa, a experiência comunitária da Igreja, a celebração da Palavra de Deus e da Eucaristia”.

“É também o modo como vivemos o domingo que a Palavra de Deus vem pôr em causa”, acrescentou, chamando atenção para “o risco de nos atermos à letra da norma, em vez de nos deixarmos orientar pelo seu sentido”.

Quando assim é, “a participação na missa dominical torna-se apenas um preceito, que importa cumprir, mas não um encontro com Cristo, vivo, na assembleia de irmãos”.

“O repouso dominical, mais que um preceito que importa cumprir, é um dom que nos liberta”, considera o reitor do Santuário de Fátima, “deixamos os trabalhos diários, para termos tempo para Deus e para os outros”.

O descanso dominical “é um sinal que manifesta a nossa dignidade humana e cristã, orienta-nos para a relação com Deus e com os outros, sem formalismos que escravizam e as absolutizações que matam o espírito”, concluiu.

Os peregrinos foram ainda convidados a ter presentes nas suas orações o 5.º Congresso Eucarístico a decorrer em Braga.

Esta tarde a Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima acolhe mais um Encontros na Basílica, pelas 15h30, com entrada livre.

PDF

HORÁRIOS

26 jun 2024

Missa, na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima

  • 07h30
Missa

Rosário, na Capelinha das Aparições

  • 12h00
Terço
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. O seu navegador de Internet está desatualizado. Para otimizar a sua experiência, por favor, atualize o navegador.