search clock-o download play play-circle-o volume-up image map-marker plus twitter facebook rss envelope linkedin close exclamation-triangle home bars angle-left angle-right share-alt clock-o arrow-up arrow-down2 folder folder-folder-plus folder-open calendar-o angle-down eye refresh

PÁGINA OFICIAL

Santuário de Fátima

Transmissão Online

A Igreja deve prosseguir a sua peregrinação no Mundo e na História apesar das “poeiras que caem sobre ela”, disse o Cardeal D. António Marto

01 de dezembro, 2018

2018-12-01_Abertura_DAntonio_4.jpg

A Igreja deve prosseguir a sua peregrinação no Mundo e na História apesar das “poeiras que caem sobre ela”, disse o Cardeal D. António Marto

Bispo de Leiria Fátima encerra Jornada de apresentação do tema do novo Ano Pastoral intitulado “Dar graças por Peregrinar em Igreja”

 

A Igreja é “peregrina na História” que “ainda não chegou à plenitude”, em permanente conversão, renovação, e com esperança “que Deus dá como dom”, rumo a uma “meta definitiva”, disse esta tarde o bispo de Leiria-Fátima no encerramento da Jornada de apresentação do tema do novo Ano Pastoral, “Dar graças por peregrinar em Igreja”.

 “A peregrinação é uma característica da Igreja, que no Pentecostes saíu para anunciar a Boa Nova de Cristo. Hoje a Igreja é convidada a prosseguir a sua peregrinação no mundo, sendo peregrina na História. E é chamada a crescer na fé e no testemunho, é chamada a renovar-se pois sobre ela cai a poeira da história, como os tempos em que que vivemos”, disse o prelado, lembrando que ninguém pode desanimar com a missão que, em Fátima e a partir de Fátima, é guiada por Nossa Senhora.

“Aqui em Fátima, Nossa Senhora pediu conversão para o mundo e para a Igreja e esta conversão tem de ser feita todos os dias”, precisou lembrando o papel de Nossa Senhora como Peregrina e Discípula desta Boa Nova.

“Ela apresentou-se aos povos da Terra como símbolo da misericórdia e da ternura de Deus” disse D. António Marto que recordou alguns dos exemplos em que Maria se revelou como peregrina desde a Visitação a Isabel, sua prima, passando pelas Bodas de Canã, onde falou da necessidade de vinho novo e depois pelo Calvário, onde acompanhou o filho até à Cruz.

“Ela pôs-se a caminho como mulher e como mãe e hoje serve-nos de guia” afirmou lembrando que é o sinal de esperança da peregrinação cristã.

“Cristo não quer que caminhemos sem uma mãe. Ela encontra-se tão presente no coração dos crentes; é sinal de esperança e consolação para este povo peregrino e

continua a dizer à Humanidade desolada e desalentada: por fim o meu Coração Imaculado Coração triunfará”, esclareceu.

Aludindo a um conceito mais concreto da peregrinação, algo inerente à condição humana, destacou que “a peregrinação pode ser experiência bela e surpreendente de Deus. Uma experiência de interioridade profunda” quando é “uma viagem com uma meta a alcançar”, disse D. António Marto, alertando para os perigos de uma  “cultura da exterioridade” e para o “frenesim do tempo”. Por  isso, lembrou, é preciso que a "Palavra do Senhor seja uma bússola para o caminho"; o pão seja partilhado; "a oração e o pensamento se virem para Deus" e se faça uma verdadeira conversão interior com vista à transformação de cada um e do mundo”.

A jornada de apresentação do tema do novo Ano Pastoral contou ainda com uma atuação do Coro do Santuário de Fátima e da Schola Cantorum Pastorinhos de Fátima, que apresentou um repertório centrado nas músicas de Fátima.


CATEGORIAS DE NOTÍCIAS


HORÁRIOS

Missa

Missa, na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima

07h30
Terço

Rosário, na Capelinha das Aparições

12h00

LOJA ONLINE


Loja Santuário de Fátima