20 de fevereiro, 2021

119A6707.jpg

“A cultura da compaixão é o antídoto à cultura da indiferença de quem desvia o olhar dos irmãos feridos à beira do caminho”

Festa Litúrgica dos Santos Francisco e Jacinta Marto, foi acompanhada por milhares de peregrinos em todo o mundo através dos meios digitais

  

O Dia dos Pastorinhos, é celebrado pela primeira vez apenas em ambiente digital. Esta manhã, a Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima acolheu uma celebração, presidida pelo Cardeal D. António Marto, bispo da diocese de Leiria-Fátima, que falou  da proximidade, da compaixão e da ternura dos Pastorinhos de Fátima como o exemplo para resistir à pandemia e vencer o medo.

“Vivemos um tempo difícil para todos, um tempo de crise a vários níveis, pela crise sanitária, económica, social, ecológica, cultural e também a crise de relações humanas, talvez a mais grave”, começou por dizer o prelado, alertando para o facto de que em momentos de crise “é muito fácil cair no desespero”.

“Os nossos queridos Pastorinhos são estrelas em que resplandecem a proximidade, a compaixão e a ternura como estilo da relação de Deus connosco e que devem tornar-se estilo do nosso cuidado recíproco, de uns pelos outros”, e assim “resistiremos à pandemia e venceremos o medo, a insegurança, a solidão, o desânimo e o sofrimento nos seus aspetos negativos”.

Numa celebração transmitida nas redes sociais e participada por milhares de peregrinos em todo o mundo, o cardeal português afirmou que “Não se pode viver ignorando o outro porque estamos todos na mesma barca, todos interdependentes”, ao considerar que  esta  foi a mensagem que Nossa Senhora deixou em Fátima, numa altura em que também o mundo atravessava uma crise pandémica e uma guerra mundial.

“O cuidado de Deus pelo mundo é-nos testemunhado pelos santos Pastorinhos e deve inspirar o nosso, e podemos identificá-lo em três palavras muito usadas pelo Papa Francisco para caraterizar o estilo de Deus manifestado em Jesus: proximidade, compaixão e ternura”, disse.

O Evangelho hoje proclamado “é um ícone expressivo da proximidade de Deus aos homens”, pois mostra como “Deus ama e cuida de todos os seus filhos, fazendo-se próximo, especialmente dos mais pequenos, isto é, dos mais frágeis, pobres, humildes, indefesos”.

Nos diálogos com Nossa Senhora e na sua mensagem, “os pastorinhos fizeram a experiência gozosa desta proximidade de Deus até àquela intimidade intensa”.

Neste experiência “davam-se conta de que a proximidade do amor de Deus se destinava a todos os homens, que não está à distância, longe e indiferente, mas é um Deus que se faz próximo e se deixa aproximar por todos, mesmo os afastados e pecadores e Não exclui ninguém da sua misericórdia”.

“Todos se podem aproximar d’Ele com confiança, Sem medo”, assegurou o prelado.

Na mensagem de Nossa Senhora em Fátima, “Deus não é indiferente à dor humana, é um Deus compassivo”.  

Os Pastorinhos “apreenderam um verdadeiro amor de «com-paixão» como participação na dor de Deus pelo sofrimento da Igreja perseguida e pelos terríveis sofrimentos da humanidade em guerra que eram expressão da crueldade do mal”, lembrou D. António Marto, dando exemplos concretos como era o caso da oração pelos doentes e pela paz, no sacrifício pela conversão dos pecadores, na partilha com os pobres.

“A cultura da compaixão é o antídoto à cultura da indiferença de quem desvia o olhar dos irmãos feridos à beira do caminho”, disse, ao considerar que a Igreja “é chamada a ser, na sua missão, um hospital de campanha que acolhe e cuida dos feridos e ajuda a curar as feridas com o bálsamo da compaixão”.

O Papa Francisco “surpreende-nos ainda ao convidar-nos a descobrir a ternura de Deus para connosco e a nossa ternura na nossa relação com Ele e nas relações entre nós e não se trata de um mero sentimento e emoção, trata-se, antes, de uma atitude de afeto, acolhimento, atenção, escuta, compreensão, bondade expansiva capaz de tocar o íntimo, de fazer vibrar as cordas do coração”.

“Os pastorinhos viveram esta ternura de Deus, de Jesus e de Nossa Senhora para com eles e vice-versa, são um encanto de ternura”, reiterou.

A ternura acarreta “pôr no centro o rosto do outro, olhar olhos nos olhos, a sua presença física que interpela, o corpo de carne com as suas feridas e dor ou com a sua alegria contagiante e nós, hoje, sofremos de um déficit de ternura nas relações agravado pela situação da pandemia”, alertou o bispo da diocese de Leiria-Fátima.

A Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima acolheu ontem, a Vigília dos Pastorinhos, numa celebração que começou com a recitação do Rosário, seguida de veneração aos túmulos, onde se encontram as principais relíquias dos dois primeiros santos de Fátima: São Francisco e Santa Jacinta Marto.

Num espaço especialmente cuidado e iluminado por velas, símbolo da luz de Fátima, o Reitor do Santuário que presidiu à celebração lembrou as “duas candeias que Deus acendeu” e que são para a humanidade inteira um exemplo de entrega a Deus.

“A sua luz brota de Deus; sigamos o seu exemplo e acendamos a vela da nossa vida de olhos postos nos santos Francisco e Jacinta Marto” afirmou interpelando: “diante das suas relíquias sigamos o Cordeiro que é o nosso pastor” convidou o padre Carlos Cabecinhas.

Durante a celebração houve um momento de veneração aos túmulos, com a incensação das relíquias dos pastorinhos intercalada com a leitura das Memórias da Irmã Lúcia de Jesus. Na ocasião, o reitor do Santuário pediu a intercessão dos Santos Pastorinhos para que a humanidade seja libertada do tormento desta hora que vive em resultado da pandemia.

Ainda esta tarde, pelas 14h00, será exibido um documentário, Santos Vizinhos- duas crianças que se fizeram candeias da humanidade a partir de Fátima, produção do Santuário de Fátima, e que conta a história de vida dos dois primeiros santos de Fátima, a partir do olhar de historiadores, teólogos e religiosas, e integra testemunhos da ex-postuladora da Causa de Canonização, Irmã Ângela Coelho; da religiosa carmelita que pediu a intercessão dos santos na cura do pequeno Lucas e do próprio miraculado e da sua família.

Francisco e Jacinta Marto foram canonizados pelo Papa Francisco no dia 13 de maio de 2017, no Santuário de Fátima, no ano do Centenário das Aparições.

PDF

DESTAQUES

CATEGORIAS

Geral Entrevista

HORÁRIOS

09 mar 2021

Missa, na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima

  • 11h00
Missa

Rosário, na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima

  • 18h30
Terço
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização. O seu navegador de Internet está desatualizado. Para otimizar a sua experiência, por favor, atualize o navegador.